Movimentos recentes no mundo corporativo e na administração pública do país vêm reforçando cada vez mais a importância da construção de mecanismos que garantam conformidade nas organizações, bem como a implementação de políticas anticorrupção. Estas políticas envolvem medidas preventivas de atos de corrupção que podem ocorrer durante as atividades empresariais. Diante desse cenário, a Construtora Queiroz Galvão Brasil  aprimorou em 2016, a atuação do Canal de Denúncia CQG, que foi criado em 2015.

Parte integrante de seu Programa de Compliance, o canal é uma ferramenta de comunicação disponível a todos os colaboradores, terceiros, clientes e a sociedade em geral. Trata-se de um espaço seguro para denunciar, anonimamente, potenciais atos que violem a legislação, normas, políticas ou código de ética da empresa.

Para reforçar o compromisso da empresa na condução do canal de denúncia foram criadas duas Políticas Internas específicas. Uma delas é a Política dos canais de comunicação, na qual são apresentadas situações que devem ser denunciadas, se desejado anonimamente, as quais serão tratadas com confidencialidade, bem como os canais que podem ser utilizados para a realização das denúncias. A outra Política é contra retaliação, que assegura o compromisso com a proteção das pessoas que denunciam  potenciais violações aos Códigos e/ou Políticas da CQG, de boa-fé.

Segundo pesquisa de 2012 da Association of Certified Fraud Examiners (ACFE), os canais de denúncia são responsáveis pela identificação de 40% dos casos de fraudes e desvios de comportamento, reduzindo em média 45% as perdas financeiras em relação a empresas que não contavam com a ferramenta. Portanto, um canal de denúncia bem estruturado e operado por uma empresa especializada eleva em 39% o número de denúncias recebidas frente aos canais operados internamente pelas organizações.

Sendo assim, para assegurar total confidencialidade no tratamento das informações, o Canal Denúncia da Construtora, desde 2016, é operado pela Deloitte, uma empresa independente, responsável por garantir o total anonimato do denunciante.

De acordo com Ana Cristina Freire, Diretora de Compliance da Construtora Queiroz Galvão Brasil, em um último levantamento realizado, denúncias de assédio moral foram as mais frequentes. “Temos realizado ações, como treinamentos e fala nos DDS (Diálogo Diário de Segurança), procurando cada vez mais conscientizar os colaboradores sobre o tema, atuando de forma pontual  nos relatos denunciados. De forma geral, desde a implantação do Canal já tivemos mais de 100 denúncias, abrangendo temas diversos, o que reforça ainda mais a importância desta ferramenta para a CQG”, diz Ana Cristina.

Para o colaborador Carlos Rafael Guimarães, da área de Gestão da Informação, o canal de denúncia é de extrema importância para empresa e o caminho certo para combater violações de conduta. “É um processo novo dentro da CQG. Portanto, é fundamental que ele seja reforçado sempre, para que todos criem a cultura de utilizá-lo da forma correta e entender no detalhe como funciona”, complementa.

O Canal Denúncia não é um espaço para reclamações, elogios ou sugestões. Todos os interessados devem relatar potenciais atos ilícitos e comportamentos antiéticos, tais como favorecimento ou pagamento de vantagem indevida, desvios de recurso e utilização de bens da CQG para fins particulares. Também são válidas as denúncias sobre condutas inadequadas, como tratamento desrespeitoso, discriminação de qualquer natureza, assédio moral ou sexual e ainda potenciais situações de conflitos de interesse.  Todas as denúncias devem ser realizadas com o maior número de informações possíveis e sempre de boa-fé.

Todas as denúncias serão avaliadas e as que forem julgadas procedentes serão devidamente tratadas. O denunciante poderá acompanhar o andamento do relato denunciado através do protocolo e senha gerados pelo Canal de Denúncia.

As denúncias podem ser feitas pelo e-mail transparenciacqg@deloitte.com, pelo site www.ethicsdeloitte.com.br/transparenciacqg/ ou por meio de ligações gratuitas para o número 0800 721 1410.

 

CANAL DENÚNCIA 0800 721 1410